Nos três últimos quadrinhos a conjunção ou introduz uma circunstância de: escolha difícil.

A conjunção ‘ou’ é frequentemente usada para apresentar uma escolha entre duas opções. No entanto, nos três últimos quadrinhos, essa conjunção introduz uma circunstância de escolha difícil. Nesses casos, o personagem se depara com uma situação em que ambas as opções são igualmente desfavoráveis ou indesejáveis. Vamos explorar esses quadrinhos e analisar como essa escolha difícil é retratada e resolvida pelos personagens.

Quais são as conjunções?

As conjunções são palavras ou expressões que têm a função de conectar termos ou orações em uma frase. Elas são classificadas em conjunções coordenativas e conjunções subordinativas.

As conjunções coordenativas ligam elementos independentes entre si, ou seja, elementos que têm a mesma função gramatical na frase. Elas podem ser aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas ou explicativas.

Se quiser continuar a ler este post sobre "Nos três últimos quadrinhos a conjunção ou introduz uma circunstância de: escolha difícil." clique no botão "Mostrar tudo" e poderá ler o resto do conteúdo gratuitamente. ebstomasborba.pt é um site especializado em Tecnologia, Notícias, Jogos e muitos tópicos que lhe podem interessar. Se quiser ler mais informações semelhantes a Nos três últimos quadrinhos a conjunção ou introduz uma circunstância de: escolha difícil., sinta-se à vontade para continuar a navegar na web e subscrever as notificações do Blog e não perca as últimas notícias.

Seguir leyendo


As conjunções aditivas são utilizadas para adicionar informações, como “e”, “mas ainda”, “mas também”, “nem”. Por exemplo: “Ele é inteligente e esforçado”.

As conjunções adversativas são usadas para expressar oposição ou contraste, como “contudo”, “entretanto”, “mas”, “não obstante”, “no entanto”, “porém”, “todavia”. Por exemplo: “Eu estudei bastante, mas não consegui passar na prova”.

As conjunções alternativas são empregadas para indicar escolhas ou alternativas, como “já…já”, “ou”, “ora…ora”, “quer…quer”. Por exemplo: “Vamos ao cinema ou ao teatro?”.

As conjunções conclusivas são utilizadas para expressar uma conclusão ou consequência, como “assim”, “então”, “logo”, “pois” (depois do verbo), “por conseguinte”, “por isso”, “portanto”. Por exemplo: “Estudei muito, por isso passei na prova”.

Essas são apenas algumas exemplos de conjunções coordenativas, mas existem outras. É importante lembrar que o uso adequado das conjunções ajuda a construir uma frase correta e coesa.

Qual é a definição de conjunção e quais são alguns exemplos?

Qual é a definição de conjunção e quais são alguns exemplos?

Conjunção é a classe de palavras que possui a função de conectar termos ou orações em um mesmo enunciado, estabelecendo uma relação de sentido entre eles. Essa classe de palavras é fundamental para a organização do discurso, pois permite a junção de ideias e informações, tornando o texto mais coeso e fluido. Existem diferentes tipos de conjunções, como as conjunções aditivas, adversativas, causais, condicionais, concessivas, comparativas e consecutivas.

As conjunções aditivas são utilizadas para acrescentar informações, sendo alguns exemplos: “e”, “nem”, “não só…mas também”. Já as conjunções adversativas são usadas para estabelecer uma oposição ou contraste entre elementos ou ideias, sendo exemplos: “mas”, “porém”, “todavia”. As conjunções causais, como “porque”, “pois”, “como”, introduzem uma causa para o que foi mencionado anteriormente. As conjunções condicionais, como “se”, “caso”, estabelecem uma condição para a realização de algo. As conjunções concessivas, como “embora”, “mesmo que”, introduzem uma concessão, ou seja, uma ideia contrária ao esperado. As conjunções comparativas, como “assim como”, “tal qual”, estabelecem uma comparação entre elementos. Por fim, as conjunções consecutivas, como “tanto…que”, “de modo que”, indicam uma consequência em relação ao que foi mencionado antes.

Quais são as conjunções de explicação?

Quais são as conjunções de explicação?

As conjunções coordenativas explicativas são responsáveis por estabelecer uma relação de explicação entre duas orações. Elas são utilizadas quando se deseja justificar ou esclarecer uma informação apresentada anteriormente. As principais conjunções explicativas são “porque”, “pois” e “que”.

A conjunção “porque” é utilizada para introduzir uma explicação que justifica a informação apresentada anteriormente. Por exemplo: “Eu não fui à festa porque estava doente”. Nesse caso, a segunda oração explica o motivo pelo qual a pessoa não foi à festa.

Já a conjunção “pois” também é usada para introduzir uma explicação, mas de forma mais enfática. Por exemplo: “Ele não conseguiu o emprego, pois não tinha experiência na área”. Nesse caso, a segunda oração explica o motivo pelo qual a pessoa não conseguiu o emprego de forma mais enfática.

Por fim, a conjunção “que” também pode ser utilizada como conjunção explicativa, quando a segunda oração traz uma explicação para a primeira. Por exemplo: “Ele não foi ao cinema, que estava lotado”. Nesse caso, a segunda oração explica o motivo pelo qual a pessoa não foi ao cinema, que era o fato de estar lotado.

Além dessas conjunções, existem outras que também podem ser utilizadas como conjunções explicativas, como “pois que”, “porque motivo”, “visto que”, entre outras. Todas essas conjunções têm a função de estabelecer uma relação de explicação entre as orações e contribuem para a coesão e clareza do texto.

Qual das alternativas podemos encontrar uma conjunção adversativa?

Qual das alternativas podemos encontrar uma conjunção adversativa?

A alternativa que contém uma conjunção adversativa é a letra E: “Ela estava cansada, mas não reclamava.” A conjunção “mas” indica uma oposição ou contraste entre as duas ideias expressas na frase. Nesse caso, a primeira ideia é de que a pessoa estava cansada, enquanto a segunda ideia é de que ela não reclamava, mesmo estando cansada. A conjunção adversativa “mas” é utilizada para unir essas duas ideias opostas, criando um contraste entre elas. É importante destacar que as conjunções adversativas são utilizadas para expressar oposição, contraste ou concessão entre duas ideias ou orações. Além de “mas”, outras conjunções adversativas comuns são: porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto. Essas conjunções são essenciais para a coesão e coerência textual, pois ajudam a estabelecer relações entre as ideias apresentadas.

Como a oração se classificaria com a presença da conjunção?

As orações podem ser classificadas em sindéticas ou assindéticas, dependendo da presença ou ausência de conjunções. Quando uma oração é introduzida por uma conjunção, ela é considerada sindética. As conjunções são palavras que ligam duas orações ou termos de uma mesma oração. Alguns exemplos de conjunções sindéticas são: “e”, “mas”, “ou”, “porque”, “quando”, entre outras.

Por outro lado, as orações assindéticas são aquelas que não são introduzidas por conjunções. Elas podem ser independentes e ter sentido completo por si mesmas, ou podem fazer parte de uma oração composta, sendo coordenadas ou subordinadas. As orações assindéticas podem ser ligadas por vírgulas, ponto e vírgula, dois pontos, entre outros sinais de pontuação.

A classificação das orações em sindéticas ou assindéticas é importante para entender a estrutura e a relação entre as diferentes partes de um texto. A presença ou ausência de conjunções pode afetar o sentido e a organização das ideias expressas nas orações. Portanto, é fundamental conhecer e identificar corretamente as conjunções para compreender melhor a estrutura de um texto e as relações estabelecidas entre suas partes.