Não ocorre erro de regência em: visando apenas os seus próprios interesses ele involuntariamente prejudicou toda uma família: assinale a alternativa que apresenta um desvio de regência verbal.

A regência verbal é uma das principais áreas de estudo da gramática da língua portuguesa. É por meio dela que aprendemos a correta relação de um verbo com seus complementos, seja direto ou indireto. No entanto, mesmo com regras bem estabelecidas, é possível cometer desvios de regência, o que pode gerar confusão e alterar o sentido da frase. Neste artigo, vamos discutir um caso específico de desvio de regência verbal: “Não ocorre erro de regência em: visando apenas os seus próprios interesses ele involuntariamente prejudicou toda uma família”. Será que essa frase está correta? Vamos analisar cada elemento e entender se houve realmente um desvio de regência. Acompanhe!

Qual é a definição de erros de regência?

Erros de regência ocorrem quando há um equívoco na forma como um verbo é utilizado em relação à sua preposição. Esses erros são comuns na língua portuguesa e podem resultar em frases gramaticalmente incorretas. Um exemplo comum de erro de regência é o uso incorreto da preposição “de” após o verbo pronominal “lembrar-se”.

No caso específico do verbo “lembrar-se”, é necessário utilizar a preposição “de” para indicar a lembrança de algo ou alguém. Portanto, a forma correta é “lembrar-se de algo/alguém”. Por exemplo, “Eu me lembro do seu aniversário” ou “Lembro-me de você”.

Se quiser continuar a ler este post sobre "Não ocorre erro de regência em: visando apenas os seus próprios interesses ele involuntariamente prejudicou toda uma família: assinale a alternativa que apresenta um desvio de regência verbal." clique no botão "Mostrar tudo" e poderá ler o resto do conteúdo gratuitamente. ebstomasborba.pt é um site especializado em Tecnologia, Notícias, Jogos e muitos tópicos que lhe podem interessar. Se quiser ler mais informações semelhantes a Não ocorre erro de regência em: visando apenas os seus próprios interesses ele involuntariamente prejudicou toda uma família: assinale a alternativa que apresenta um desvio de regência verbal., sinta-se à vontade para continuar a navegar na web e subscrever as notificações do Blog e não perca as últimas notícias.

Seguir leyendo


No entanto, muitas vezes ocorre o erro de omitir a preposição “de” e utilizar apenas o verbo “lembrar”. Essa omissão de preposição é considerada um erro de regência verbal. Por exemplo, “Eu lembro seu aniversário” ou “Lembro você”. Nesses casos, a frase fica gramaticalmente incorreta.

É importante estar atento à regência verbal para evitar erros de concordância e garantir a correta utilização dos verbos na língua portuguesa. O estudo e a prática da regência verbal são fundamentais para uma comunicação clara e eficiente em qualquer contexto.

Onde há erro de regência nominal?

Onde há erro de regência nominal?

Um erro comum de regência nominal ocorre quando se utiliza a expressão “certeza que” em vez de “certeza de”. Por exemplo, em vez de dizer “Nós temos certeza de que seu amigo não esteve aqui hoje”, muitas pessoas dizem “Nós temos certeza que seu amigo não esteve aqui hoje”. Embora seja comum na norma culta entre grupos mais escolarizados, essa construção não está de acordo com a norma padrão da língua portuguesa.

Na regência nominal, é importante observar as preposições utilizadas com os substantivos, adjetivos e verbos. A regência correta de “certeza” é a preposição “de”, e não “que”. Portanto, o correto é dizer “certeza de que” em vez de “certeza que”. É importante estar atento a esse tipo de erro para garantir uma comunicação adequada e de acordo com as regras gramaticais da língua.

Qual é o exemplo de erro de regência verbal?

Qual é o exemplo de erro de regência verbal?

Um exemplo de erro de regência verbal é quando se deixa de usar a preposição exigida pelo verbo. Isso ocorre quando o verbo tem a necessidade de ser acompanhado de uma preposição para estabelecer a correta relação com o complemento. Por exemplo, ao dizer “O livro que você se referiu é ótimo!”, o correto seria utilizar a preposição “a” antes de “que”, ficando “O livro a que você se referiu é ótimo!”. Outro exemplo é quando se utiliza a regência verbal sem preposição, o que ocorre com verbos transitivos diretos que estabelecem regência com um objeto direto sem a presença de uma preposição. Por exemplo, “Eu ainda não li o livro” e “Ela já fez o bolo”.

Erros de regência verbal podem ocorrer devido a falta de conhecimento ou confusão por parte do falante. É importante conhecer as regras de regência verbal para evitar esses erros, pois eles podem comprometer a clareza e a correção gramatical da mensagem transmitida. É recomendado o estudo e a prática da regência verbal, a fim de desenvolver habilidades linguísticas mais precisas e eficientes. Além disso, é necessário estar atento às regras específicas de regência de cada verbo, pois algumas podem variar de acordo com o contexto e o sentido da frase.

Qual é o erro de regência nominal?

Qual é o erro de regência nominal?

O erro de regência nominal ocorre quando há uma inadequação entre o substantivo, adjetivo ou advérbio e a preposição que o acompanha. Essa preposição específica é determinada pelas regras de regência presentes nos dicionários. Quando utilizamos uma preposição diferente daquela prevista, cometemos um erro de regência.

Esse erro pode comprometer a compreensão da frase e causar confusão no sentido que se pretende transmitir. É importante estar atento às regras de regência nominal para evitar esse tipo de equívoco na escrita e na fala.

A regência nominal está relacionada à forma como os termos se relacionam e se complementam na frase. A preposição correta é fundamental para indicar essa relação e garantir a clareza e correção da expressão. Portanto, é essencial consultar os dicionários de regência para verificar qual preposição deve ser utilizada em cada caso.

Quando implicar tem o sentido de acarretar?

O verbo “implicar” é um verbo transitivo direto quando utilizado com o sentido de “acarretar”, “ocasionar” ou “trazer consequências”. Isso significa que ele não requer o uso de uma preposição para introduzir o complemento que recebe. Por exemplo, podemos dizer: “A decisão implicou mudanças na empresa” ou “O erro implicará em penalidades”.

É importante ressaltar que essa forma de uso do verbo “implicar” é mais comum na norma culta da língua. Na linguagem coloquial, é comum encontrar o uso do verbo com uma preposição, como em “A decisão implicou em mudanças na empresa”. No entanto, para manter a concordância com a norma padrão, é recomendado utilizar o verbo “implicar” sem preposição quando ele tem o sentido de “acarretar”.