Exemplos de aliteração: vozes veladas veludosas vozes: figura de linguagem.

A aliteração é uma figura de linguagem muito utilizada na literatura e na poesia, que consiste na repetição de sons consonantais em uma sequência de palavras ou versos. Essa repetição sonora cria um efeito estético e musical, tornando o texto mais melódico e marcante.

Um exemplo clássico de aliteração é a frase “vozes veladas veludosas vozes”, onde a repetição do som “v” cria um ritmo e uma sonoridade agradável ao ouvido. Nesse caso, a aliteração é usada como recurso estilístico para enfatizar a suavidade e o tom misterioso das vozes mencionadas.

Neste artigo, vamos explorar diversos exemplos de aliteração em diferentes contextos, desde a literatura clássica até a publicidade contemporânea. Através desses exemplos, pretendemos demonstrar a versatilidade e o impacto dessa figura de linguagem na construção de textos e discursos.

Se quiser continuar a ler este post sobre "Exemplos de aliteração: vozes veladas veludosas vozes: figura de linguagem." clique no botão "Mostrar tudo" e poderá ler o resto do conteúdo gratuitamente. ebstomasborba.pt é um site especializado em Tecnologia, Notícias, Jogos e muitos tópicos que lhe podem interessar. Se quiser ler mais informações semelhantes a Exemplos de aliteração: vozes veladas veludosas vozes: figura de linguagem., sinta-se à vontade para continuar a navegar na web e subscrever as notificações do Blog e não perca as últimas notícias.

Seguir leyendo


O que é aliteração e quais são os exemplos?

A aliteração é uma figura de linguagem que ocorre quando há a repetição de um mesmo som consonantal no início de várias palavras ou em sílabas próximas. Ela é muito utilizada na literatura e na poesia para criar efeitos sonoros e rítmicos, trazendo musicalidade e impacto aos textos.

Um exemplo de aliteração é o verso do poeta Manuel Bandeira: “O sino da minha aldeia, dolente, / Canta Ave-Maria a toda a gente”. Nesse caso, podemos observar a repetição do som /d/ no início das palavras “dolente” e “dente”, criando um efeito sonoro marcante.

Outro exemplo é o verso de Vinicius de Moraes: “A rosa rosou no rosal”. Nessa frase, há a repetição do som /r/ no início das palavras “rosa”, “rosou” e “rosal”, gerando um efeito de sonoridade suave e harmoniosa.

A aliteração é uma técnica muito utilizada pelos escritores e poetas para criar ritmo, musicalidade e impacto nos textos. Ela pode ser usada tanto de forma sutil, como nos exemplos citados, quanto de maneira mais intensa, com a repetição de vários fonemas consonantais em sequência. Além disso, a aliteração também pode ser combinada com outras figuras de linguagem, como a repetição e a assonância, ampliando ainda mais as possibilidades de criação e expressão literária.

Quais são os tipos de aliteração?

Quais são os tipos de aliteração?

A aliteração é uma figura de linguagem que consiste na repetição de sons consonantais no início de palavras ou em sílabas consecutivas de uma frase ou verso. Essa repetição sonora tem como objetivo criar um efeito estilístico, rítmico ou poético. Existem diferentes tipos de aliteração, que estão subdivididos em figuras de palavra, figuras de construção, figuras de pensamento e figuras de som.

As figuras de palavra são aquelas em que a aliteração está presente no próprio significado das palavras. Exemplos dessas figuras são a alegoria, a perífrase ou antonomásia, a catacrese, a comparação ou símile, a metáfora, a metonímia, a sinédoque e a sinestesia.

Já as figuras de construção são aquelas em que a aliteração está presente na estrutura sintática das frases ou versos. Um exemplo dessa figura é a aliteração em hipérbato, em que as palavras são invertidas na ordem usual.

As figuras de pensamento são aquelas em que a aliteração está presente no pensamento ou na ideia transmitida pela frase ou verso. Um exemplo dessa figura é a aliteração em antítese, em que ideias opostas são contrastadas.

Por fim, as figuras de som são aquelas em que a aliteração está presente no som produzido pela frase ou verso. Exemplos dessas figuras são a aliteração em assonância, em que ocorre a repetição de sons vocálicos, e a aliteração em consonância, em que ocorre a repetição de sons consonantais.

Qual é o significado de assonância? Pode me dar exemplos?

Qual é o significado de assonância? Pode me dar exemplos?

A assonância é uma figura de linguagem que consiste na repetição de sons vocálicos em uma sequência de palavras. É semelhante à aliteração, que é a repetição de sons consonantais. A assonância é utilizada para criar um efeito sonoro agradável, dando ritmo e musicalidade ao texto.

Um exemplo de assonância é encontrado na música “Construção” de Chico Buarque: “Erguei os muros do meu peito/Que eu quero defender meu amor”. Nesse trecho, a repetição do som “e” nas palavras “erguei”, “muros”, “peito” e “defender” cria um efeito sonoro marcante.

Outro exemplo pode ser encontrado no poema “Soneto de Fidelidade” de Vinícius de Moraes: “Que não seja imortal, posto que é chama/Mas que seja infinito enquanto dure”. Nesse caso, a repetição do som “a” nas palavras “não”, “seja”, “enquanto” e “dure” cria um ritmo agradável ao poema.

A assonância é uma técnica amplamente utilizada na literatura, música e poesia para dar ênfase e expressividade ao texto, criando um efeito estético sonoro.

Quando usar aliteração?

Quando usar aliteração?

Para dar maior expressividade ao texto, usa-se como recurso a aliteração, figura que busca sugerir sons. A aliteração consiste na repetição de sons consonantais em uma sequência de palavras ou versos. Esse recurso proporciona um efeito sonoro marcante, criando uma melodia verbal que chama a atenção do leitor ou ouvinte.

A aliteração pode ser utilizada em diversos contextos, como na literatura, na publicidade e na música. Na literatura, por exemplo, ela pode ser empregada para enfatizar sentimentos, criar atmosferas, retratar personagens ou mesmo para tornar o texto mais memorável. Na publicidade, a aliteração é frequentemente usada para criar slogans e jingles marcantes, que ficam na mente do consumidor. Na música, ela pode ser utilizada para criar ritmo e dar ênfase a determinadas palavras ou frases.

Os recursos linguísticos podem ser manipulados para imprimir uma maior expressividade ao texto, por isso, relacionam-se a diversos aspectos da língua: morfológico, sintático, semântico e fonológico. A aliteração, em particular, está relacionada ao aspecto fonológico, pois se baseia na repetição de sons consonantais. Ao criar uma sequência de palavras com sons semelhantes, o autor ou compositor busca criar um efeito sonoro específico que contribui para a expressividade do texto. Por exemplo, a repetição do som /s/ em uma frase pode transmitir a ideia de suavidade, enquanto a repetição do som /t/ pode sugerir algo mais incisivo ou abrupto. Portanto, ao utilizar a aliteração, é possível criar um efeito sonoro que reforça o significado ou a intenção do texto.

Quais são os exemplos de aliteração?

A aliteração é uma figura de linguagem que consiste na repetição de sons consonantais, geralmente no início de palavras próximas, com o objetivo de criar um efeito sonoro e rítmico. Existem diversos exemplos de aliteração na literatura e na língua falada. Um exemplo clássico é o verso do poeta Luís de Camões: “Leva-lhe o vento a voz, que ao vento deita.”, onde há a repetição da consoante “v”. Outro exemplo é o provérbio popular: “O rato roeu a roupa do rei de Roma.”, onde há a repetição da consoante “r”. Um terceiro exemplo é o provérbio popular: “Quem com ferro fere com ferro será ferido.”, onde há a repetição da consoante “f”.

Esses exemplos mostram como a aliteração pode ser utilizada para criar um efeito sonoro marcante e destacar determinadas palavras ou ideias. A repetição dos sons consonantais contribui para a musicalidade do texto e pode ser usada tanto na poesia quanto na prosa. É uma figura de linguagem bastante presente na literatura, mas também pode ser encontrada em textos publicitários, músicas e até mesmo na língua falada, onde é usada para enfatizar certas palavras ou expressões.