Erros de regência verbal: exemplos e correções

Frank

Os erros de regência verbal são comuns na língua portuguesa e podem causar confusão na hora de se expressar corretamente. A regência verbal é a relação entre um verbo e seus complementos, ou seja, como o verbo se relaciona com os demais termos da frase.

Neste artigo, vamos abordar alguns exemplos de erros de regência verbal e apresentar as correções adequadas. Esses exemplos ajudarão a compreender melhor as regras de regência verbal e evitar equívocos na hora de falar ou escrever.

Através de uma lista organizada, você poderá identificar os erros mais comuns de regência verbal e aprender como corrigi-los. Além disso, vamos apresentar dicas úteis para evitar esses erros e aprimorar sua habilidade de usar a regência verbal de forma correta.

Se quiser continuar a ler este post sobre "Erros de regência verbal: exemplos e correções" clique no botão "Mostrar tudo" e poderá ler o resto do conteúdo gratuitamente. ebstomasborba.pt é um site especializado em Tecnologia, Notícias, Jogos e muitos tópicos que lhe podem interessar. Se quiser ler mais informações semelhantes a Erros de regência verbal: exemplos e correções, sinta-se à vontade para continuar a navegar na web e subscrever as notificações do Blog e não perca as últimas notícias.

Seguir leyendo


Confira abaixo alguns exemplos de erros de regência verbal:

  1. Errado:
  2. Eu preciso de estudar mais para o exame.

  3. Correto: Eu preciso estudar mais para o exame.
  4. Errado: Ela não gosta de ir à praia.
  5. Correto: Ela não gosta de ir à praia.
  6. Errado: O professor ensinou sobre a importância de se preservar o meio ambiente.
  7. Correto: O professor ensinou a importância de se preservar o meio ambiente.

Ao entender os erros comuns de regência verbal e suas correções, você estará mais preparado para evitar essas falhas na comunicação escrita e oral. Acompanhe este artigo para aprofundar seus conhecimentos sobre a regência verbal e aprimorar sua habilidade linguística.

Qual é o erro de regência verbal?

Erros de regência verbal ocorrem quando não utilizamos a preposição exigida pelo verbo. Um exemplo disso é quando dizemos “O livro que você se referiu é ótimo!”, quando o correto seria “O livro a que você se referiu é ótimo!”. Nesse caso, o verbo “referir-se” exige a preposição “a” após o pronome relativo “que”. Outro exemplo é quando dizemos “Procuro obedecer os mandamentos divinos”, quando o correto seria “Procuro obedecer aos mandamentos divinos”. Aqui, o verbo “obedecer” exige a preposição “a” após o substantivo “mandamentos”.

Esses erros de regência verbal podem alterar o sentido da frase e prejudicar a compreensão do texto. É importante estar atento à regência dos verbos para evitar esses equívocos.

Em qual das alternativas a regência verbal está errada?

Em qual das alternativas a regência verbal está errada?

A regência verbal está errada na frase “Ele assistiu o filme vencedor do Oscar, mas não gostou”. O verbo “assistir” exige a preposição “a” quando acompanhado de objeto direto, referindo-se a uma ação de presenciar algo. Portanto, a forma correta seria “Ele assistiu ao filme vencedor do Oscar, mas não gostou”. Nesse caso, a preposição “ao” estabelece a relação correta entre o verbo e o objeto direto, indicando que ele assistiu a algo específico, que é o filme vencedor do Oscar.

A regência verbal é uma parte importante da gramática, pois determina as relações entre os verbos e os complementos que os acompanham. É fundamental conhecer as regras de regência verbal para evitar erros na escrita e na comunicação. Nesse caso específico, a correção da regência verbal na frase citada torna a expressão mais precisa e adequada ao padrão gramatical da língua portuguesa.

Quais são os erros de regência verbal mais comuns?

Quais são os erros de regência verbal mais comuns?

Os erros de regência verbal mais comuns ocorrem quando há uma inadequação na relação entre o verbo e os complementos que o acompanham. Um dos erros mais frequentes é o uso incorreto da preposição após o verbo, como no caso do verbo “aspirar”. No sentido de “sorver” ou “inspirar”, ele exige um objeto direto, ou seja, o complemento deve ser colocado sem preposição. Por exemplo: “O viajante aspirou o ar puro do campo”. Já no sentido de “almejar”, “pretender” ou “desejar”, o verbo “aspirar” exige um objeto indireto introduzido pela preposição “a”. Por exemplo: “Nós aspiramos ao princípio do bem comum”.

Outro erro comum na regência verbal é o uso incorreto da preposição “a” após alguns verbos, quando na verdade deveria ser utilizada a preposição “de”. Por exemplo: “Ele desistiu a participar do evento” – o correto seria “Ele desistiu de participar do evento”. Além disso, muitas vezes ocorre a omissão da preposição em verbos que exigem complemento preposicionado. Por exemplo: “Estou precisando dinheiro” – o correto seria “Estou precisando de dinheiro”.

É importante estar atento à regência verbal para evitar esses erros comuns. Uma dica é consultar a gramática e fazer exercícios para fixar o uso correto das preposições com os verbos. Dessa forma, é possível aprimorar a escrita e a comunicação de forma mais precisa e adequada.

Onde há erro de regência nominal?

Onde há erro de regência nominal?

Um erro comum de regência nominal ocorre quando há o uso incorreto da preposição que deve acompanhar um determinado termo. Por exemplo, a expressão “certeza que” é frequentemente utilizada de forma equivocada. Embora seja comum na norma culta, especialmente entre pessoas mais escolarizadas, a regência correta é “certeza de”.

O erro ocorre quando se utiliza a preposição “que” em vez de “de” para introduzir o complemento do substantivo “certeza”. Portanto, a frase correta seria “Nós temos certeza de que seu amigo não esteve aqui hoje”. É importante ressaltar que a regência nominal é uma regra da norma padrão da língua portuguesa, que visa garantir a clareza e a correção gramatical das construções linguísticas.

Qual é a regência do verbo assistir?

O verbo “assistir”, com o significado de “ver, presenciar, estar presente, observar, acompanhar com atenção”, possui regência transitiva indireta, ou seja, necessita de um complemento preposicionado. Nesse caso, o complemento é introduzido pela preposição “a” ou “em”.

Exemplos de frases corretas com a regência adequada do verbo “assistir” seriam:

1. Vamos assistir aos jogos de tênis.
2. Ela assistiu ao filme no cinema.
3. Eu sempre assisto às aulas com atenção.
4. Os espectadores assistiram ao espetáculo de dança.
5. Assisti ao show do meu cantor favorito.

Nesses exemplos, percebe-se que o verbo “assistir” exige a preposição “a” ou “em” para introduzir o complemento, que pode ser um evento, uma aula, um espetáculo ou um filme. Vale ressaltar que o verbo “assistir” também pode ser utilizado com outros significados, como “ajudar” ou “prestar auxílio”, nesses casos, sua regência pode ser diferente.