Equipa Multidisciplinar de Apoio a Educacao Inclusiva EMAEIA Equipa Multidisciplinar de Apoio à Educação Inclusiva constitui um recurso organizacional específico de apoio à aprendizagem e à inclusão, tendo em vista uma leitura alargada, integrada e participada de todos os intervenientes no processo educativo dos alunos.

Constituição da EMAEI

São elementos permanentes da EMAEI:

  • Um membro do órgão de gestão;
  • Um docente especializado;
  • A coordenadora do departamento da educação pré-escolar;
  • A coordenadora do departamento do primeiro ciclo;
  • O coordenador dos diretores de turma do segundo e terceiro ciclo;
  • O coordenador dos diretores de turma do ensino secundário;
  • Um psicólogo.

 São elementos variáveis da EMAEI:

  • O diretor de turma/docente titular de grupo/turma do aluno;
  • Outros docentes do aluno;
  • Docentes especializados;
  • Técnicos superiores do SPO;
  • Pais/encarregados de educação dos alunos referenciados;
  • Outros técnicos.

Competências da EMAEI

  • Sensibilizar a comunidade educativa para a educação inclusiva;
  • Propor as medidas de suporte à aprendizagem e à inclusão a mobilizar;
  • Acompanhar e monitorizar a aplicação das medidas de suporte à aprendizagem e à inclusão;
  • Prestar aconselhamento aos docentes na implementação de práticas pedagógicas inclusivas;
  • Elaborar o Relatório Técnico-Pedagógico (RTP) e, se aplicável, o Projeto Educativo Individual (PEI) e o Plano Individual de Transição (PIT);
  • Acompanhar o funcionamento do Centro de Apoio à Aprendizagem e à Inclusão (CAAI).

educacao inclusiva“O compromisso com a construção de uma escola inclusiva, uma escola na qual todos os alunos têm oportunidade de realizar aprendizagens significativas e na qual todos são respeitados e valorizados, uma escola que corrige assimetrias e desenvolve ao máximo o potencial de cada aluno, é um desígnio nacional e um desafio para o qual estamos TODOS convocados”.

 

Com a tónica dominante de uma escola de todos e para todos e para dar cumprimento ao pretendido de alunos a aprender juntos, sempre que possível, a escola terá de aprender a reorganizar-se e a readaptar-se aos vários estilos e ritmos dos seus aprendentes e assegurar, potenciar e garantir aprendizagens para todos, independentemente das suas caraterísticas, perfis e realidades sociais, económicas e culturais.

A escola assume-se, assim, como um local primordial de inclusão, uma vez que tem como principal função a promoção do desenvolvimento equilibrado do ser humano. Assim, torna-se necessário a adequação de práticas, no sentido de se criar uma resposta apropriada às caraterísticas desenvolvimentais de cada criança e jovem. 

Assegurar uma escola verdadeiramente inclusiva não é apenas aceitar toda a diversidade de alunos. Implica planeamento, envolvimento, trabalho colaborativo entre profissionais e entre estes e as famílias, desenvolvendo nos alunos em concreto e na comunidade educativa um verdadeiro sentido de pertença!